De maca em ambulância, idosa de 95 anos é levada para fazer prova de vida em BH

De maca em ambulância, idosa de 95 anos é levada para fazer prova de vida em BH

Em pleno dia mais quente do ano, uma família de Belo Horizonte teve que retirar da cama uma idosa de 95 anos para levá-la para fazer a prova de vida em uma agência bancária. O procedimento é feito para o beneficiário receber o benefício do INSS. Mesmo agendando a visita domiciliar de um funcionário do órgão, a comprovação não foi feita, pois, segundo o filho da mulher, o documento de identidade dela não foi aceito, sob alegação de que “não correspondia à pessoa”.

O procedimento deve ser feito a cada 12 meses pelos beneficiários. Desde março, uma resolução do INSS, estabeleceu que pessoas acima de 60 anos podem agendar o atendimento em uma das agências do órgão. Já os beneficiários acima de 80 anos e as pessoas com dificuldade de locomoção, passaram a ter à disposição um servidor do INSS para que ele faça o procedimento na residência ou em outro local onde estiverem.

“O INSS abriu o serviço de agendamento com a ida do funcionário. Ele esteve lá em casa e olhou a identidade, que é mais antiga. Mesmo com a apresentação dos dados dos filhos, de contas e outros documentos de minha mãe, o funcionário afirmou o que a impressão não era de ser mesma pessoa”, explicou o empresário Wagner Luiz Cunha, de 67 anos.

Diante da recusa da comprovação, a família teve que alugar uma ambulância e levar a idosa até uma agência bancária. “Em um dia em que a temperatura chegou a 35°C, tivemos que fazer isso. Graças a Deus, o funcionário da Caixa foi bem educado e fez a prova de vida”, comentou. “Esta não foi a primeira vez que tivemos que fazer isso. Antes da possibilidade do agendamento, tivemos que fazer o mesmo. Temos condições de alugar uma ambulância, mas e as pessoas que não têm?”, questionou.

Posicionamento do INSS

Por meio de nota, o INSS informou que um servidor esteve, em duas ocasiões, na residência da segurada, para realizar a comprovação de vida. “Em decorrência do documento de identificação ser datado de 1980, não foi possível a confirmação inequívoca da identidade da beneficiária, o que é exigido pela legislação. Na ocasião, a família foi orientada a providenciar um novo documento, procedimento que evitaria a necessidade de deslocamento até a rede bancária, como ocorrido na tarde desta quinta-feira (12)”, afirmou.

Informações sobre a prova de vida e outros serviços previdenciários podem ser obtidas no Portal do INSS; na Central Telefônica 135, que funciona de segunda a sábado, das 7h às 22h, e no Meu INSS, também disponível como aplicativo para celular.

FONTE: JORNAL DE MINAS GERAIS